Categoria: José Guilherme Ferreira, Mais Destaques

O Nelson Freire que toca o coração de Yolanda Borghoff

Um dos mais importantes pianistas do mundo, Nelson Freire (1944-2021) é lembrado por Yolanda Borghoff, a entusiasta da música que São José abraçou, e que tanto apoiou o artista no início da carreira

José Guilherme R. Ferreira • Publicado em 3/11/2021, às 15:58 • Atualizado em 4/11/21, às 8:17




Foto: Raquel Aranha. Dona Yolanda Borghoff abre seu álbum de recordações: fotografia preferida do pianista Nelson Freire.

A morte do grande pianista Nelson Freire (1944-2021), na semana passada, acendeu a memória de Yolanda Borghoff, 96 anos, a carioca que São José dos Campos há décadas aprendeu a admirar como grande entusiasta da música, uma das fundadoras da Socem – Sociedade de Cultura e Educação Musical (1971), presidente da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (1989-1990), que sempre abriu o espaço da sua própria casa para inesquecíveis saraus.

“Violanda, como era chamada por Nelson Freire (porque tocava violino), foi grande incentivadora e apoiadora do desenvolvimento artístico de Nelson na infância e adolescência”, conta Raquel Aranha, musicista que preside hoje a Socem, entidade que promove a música em São José dos Campos, organizando concertos e saraus.

Filhos do casal Borghoff e Nelson Freire: Sergio, Guida (também pianista) e Rodolfo Hermano, na residência do Sumaré, SP (1960)

Era no piano dos Borghoff, seja no Rio de Janeiro ou em São Paulo, que o jovem podia estudar, em alegres temporadas de hospedagem e interação com a família. Foi com os Borghoff que o pianista também enfrentou uma tragédia pessoal: a morte dos pais. O ônibus da Viação Cometa no qual viajava com a família, de Minas ao Rio, a caminho de suas aulas de piano, sofreu um grave acidente. Somente Nelson, que tinha se acomodado na última fileira de poltronas, sobreviveu. Os Borghoff foram sua segunda família.

Yolanda Borghoff contou em entrevista a Raquel Aranha que conheceu o menino Nelson por acaso. Estava hospedada no mesmo hotel, no Rio, onde ele estudava no piano antes das aulas. Foi uma paixão à primeira vista por aquele pianista iniciante que começava bem: tinha a pianista Guiomar Novaes como grande musa inspiradora, consumindo todos seus discos. Pouco mais tarde, Yolanda também deu todo o suporte necessário para que ele pudesse participar do I Concurso Internacional de Piano, no Rio, em 1957. A carreira de Nelson deslanchou.

Hoje recolhida no seu apartamento nas imediações do Parque Vicentina Aranha, mas sempre muito lúcida, Dona Yolanda-de-cabelos-branquinhos mostrou a Raquel Aranha seu baú de memórias. Entre uma série de fotografias da família com Nelson Freire, um cartão de Natal com carimbo de 1959. Nelson escreve da Áustria, onde passou boa parte de seu período de formação: “Queridos, só um postalzinho pra contar que tive muito sucesso em Londres, graças a Deus. O “Times” fez comparações com Rubinstein e Michelangeli. Depois irei para Alemanha. Um grande abraço, Nelson.”

Yolanda Borghoff e Raquel Aranha: obra de Nelson Freire é imortal

YOLANDA E A MÚSICA

A convivência de Yolanda Borghoff com a música foi iniciada no Rio, com a organização de concursos internacionais, e ganhou força quando ela esteve à frente da Sociedade Proarte de Música, em São Paulo. Sob sua batuta, inúmeros músicos do primeiro time foram trazidos para apresentações regulares no Teatro Municipal de São Paulo, Teatro Paulo Eirós e para escolas particulares, como a Cultura Inglesa. Enquanto os ases internacionais tocavam nesses teatros, transformava sua casa em Musiclube, reunindo novos talentos como Moreira Lima, Arnaldo Cohen, João Carlos Martins, Cristina Ortiz, Irmãos Assad e o próprio Nelson Freire.

A partir dos anos 1970, já em São José dos Campos (o marido Rodolfo Borghoff era proprietário da concessionária de caminhões Mercedes Benz na região), viu que a situação das artes não era “muito estruturada” por aqui,  usando elegante eufemismo. Era preciso agir em nome da música. E isso poderia bem começar com a formação de músicos, como fizera com Nelson Freire. Yolanda tratou de conseguir uma bolsa de estudos da Proarte para os músicos Célio e Jonas Mansur, do CTA. Os rapazes iam semanalmente para São Paulo estudar com o violinista Airton Pinto, recém-chegado de temporada nos Estados Unidos.

Acervo pessoal Yolanda Borghoff. Da esq.p/dir.: Dona Augusta (mãe de Nelson), Yolanda e Rodolfo Borghoff, filhos e Nelson Freire, no Museu do Ipiranga ,SP, 1960.

Em depoimento ao Projeto Memória, Yolanda lembra da ocasião em que o maestro Eleazar de Carvalho trouxe sua orquestra para se apresentar no Teatrão: muita confusão porque não havia como entrar com o caminhão transportando o piano. Foi nesse evento que Yolanda conheceu e tornou-se amiga de Helena e Sérgio Weiss e percebeu que a situação poderia mudar com o apoio da sociedade. Sérgio Weiss recebe sempre elogios pela alegria de seus bailes, pela promoção de músicos. O prefeito Joaquim Bevilacqua é lembrado pela compra do cinema que virou Teatro Municipal, no Shopping Centro. O maestro Walter Lourenção, pela então brilhante condução do Madrigal Musicaviva.

Com as comissões de artes da Prefeitura e mais tarde a criação da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR), a situação das artes da cidade começou a mudar. Yolanda Borghoff não somente ajudou a escrever o estatuto da FCCR como foi presidente da instituição de 1989 a 1990.  Durante sua gestão foi criado o Museu do Folclore. O engajamento com as ações da Socem era mais antigo, da década de 1970.

Acervo de Yolanda Borghoff. 15 de julho de 1976: Nelson Freire na Sala Veloso, em São José dos Campos

Nelson Freire atendeu ao chamado da sua amiga e fez um concerto na Sala Veloso, em São José dos Campos, em 15 de julho de 1976. Outra vez, tocou na casa de Yolanda.

Os problemas da Sala Veloso certamente tinham ficado para trás. Em depoimento a Vitório Faria, do Projeto Memória de São José dos Campos, em 2010, Yolanda conta a história de um dueto que iria se apresentar na Sala Veloso, mas que encontrou o espaço fechado, com umas quinze pessoas na fila, querendo entrar. Os organizadores, “não muito estruturados”, tinham esquecido da agenda. Yolanda Borghoff, que estava por ali, não teve dúvidas. Levou todo mundo para um concerto em sua casa. Com Yolanda, a música nunca desafinava.



Acompanhe nossas notícias de forma mais rápida em seu celular pelo Google News. Clique aqui e siga a SP Rio +.


Deixe seu comentário:
Os comentários não representam a opinião da SP Rio +. A responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas noticias
Cidades

Loa 2023 de São José dos Campos começa a ser discutida hoje

Começa a ser discutida nesta terça-feira (16) a série de sete audiências públicas para a elaboração da Loa 2023 de …

16 horas atrás
Esporte

São José Wrestling conquista 27 medalhas nacionais neste final de semana

A equipe São José Wrestling conquistou mais de 27 medalhas nas quatro competições da modalidade disputadas em Brasília, neste final …

21 horas atrás
Colunas, Economia, Mais Destaques

Brasil terá moeda digital própria a partir de 2023, entenda a novidade

Os cheques desapareceram há anos, são poucos os que andam com dinheiro vivo atualmente e até mesmo os cartões de …

21 horas atrás
Esporte, Mais Destaques

Novo presidente do EC Taubaté toma posse

Uma nova história começa a ser escrita! Hélio Marcondes Neto tomou posse na noite desta segunda-feira (15) como novo presidente …

23 horas atrás
Destaque, Economia

Gasolina da Petrobras vai ficar R$ 0,18 mais barata no Vale do Paraíba

A gasolina vai ficar R$ 0,18 mais barato nas distribuidoras da Petrobras, a partir desta terça-feira (16). O reajuste foi …

2 dias atrás
Cidades, Mais Destaques

Emissão on-line dos carnês do ISS de Caraguatatuba começam hoje

Começou a ser emitido de forma on-line, nesta segunda-feira (15), os carnês de ISS (Imposto Sobre Serviços) Fixo e das …

2 dias atrás
Cidades, Mais Destaques

Inicio da cobrança da taxa ambiental em Ubatuba é adiada pela terceira vez

Foi adiado pela terceira vez o início da cobrança da taxa ambiental em Ubatuba. A taxa iria ser obrigatória a …

2 dias atrás
Esporte, Linha de Frente

Os patrocínios que marcaram o futebol brasileiro

‘A propaganda é alma do negócio’. Para o futebol, essa frase tem um significado muito mais do que de vendas, …

3 dias atrás
Cidades, Colunas, Mais Destaques

Cafés em SJC que você precisa conhecer

São José dos Campos possui ótimas opções gastronômicas, com lugares perfeitos para todos os gostos e ocasiões. Restaurantes, bares, pubs …

3 dias atrás
Cidades

ONG Chico Pata de Taubaté realiza feira de adoção de animais neste sábado

A ONG Chico Pata, de Taubaté, irá realizar neste sábado (13) uma feira de adoção de cães e gatos abrigados …

4 dias atrás